Quem disse que futebol e literatura não se misturam?

“O Brasil é um país de poucos leitores”. Todo ano essa manchete é estampada nos jornais e sites. Comprovando a triste realidade dessa frase, mais e mais livrarias fecham suas portas e ouvimos muitas pessoas dizendo que ler é chato. E por que tanta gente tem essa opinião sobre os livros? Na maioria das vezes isso acontece, pois a pessoa não teve uma formação literária instigante. Muitos só passam a ter contato com o livro na escola, quando ler é uma obrigação. Dessa maneira, fica difícil acreditar que aquelas páginas possam ter alguma coisa legal, algo prazeroso para ser feito em momentos de descanso.

Mas espera aí! Por que estou falando de livros em um site de futebol?

Certo dia, acho que no final do ano passado, estava assistindo o Esporte Espetacular e me deparei com um fato no mínimo inusitado para o cenário que estamos acostumados a ver: o zagueiro Wallace, do Flamengo, estava falando sobre a paixão que sente pelos livros. Aumentei o volume e passei a prestar ainda mais atenção na entrevista. Ele não só mostrou o livro que estava lendo naquele momento, como também indicou livros para o repórter.

wallace

Eu, que além de escritora sou apaixonada pelos livros, fiquei até emocionada com aquela declaração. Sei o quanto uma pessoa como o Wallace, jogador de futebol de um dos maiores clubes do Brasil, pode influenciar os jovens que o admiram. Acompanhei a repercussão na imprensa e – ainda bem!! – aquilo chamou a atenção de diversos jornais.

Para a minha surpresa e alegria, Wallace explicou como criou o gosto pela leitura.

– Fui formado nas categorias de base do Vitória, lá se incentivava a leitura, ganhei o hábito, nada de anormal. Pode ser fora dos padrões de jogador, mas nada de anormal – afirmou em uma das entrevistas que deu falando sobre o assunto. – O hábito da leitura é para amansar a ansiedade – explicou.

Além do poder de influenciar seus fãs, Wallace  também usou os livros para motivar a equipe do Flamengo durante a temporada de 2013. Na ocasião, ele foi atrás do  ‘Nunca Deixe de Tentar’ do ex-jogador americano de basquete Michael Jordan. 

– Eu e um amigo fomos em umas oito livrarias para conseguir todos os 33 exemplares. A gente ia em uma, tinha três. Ia em outra e achava dois. Em outra, cinco. O Michael Jordan fala que o melhor jogador não é aquele que mais pontua, mas que faz o nível do seu companheiro se elevar – afirmou o zagueiro.

Hoje, Wallace tem um site que mostra suas atuais leituras e elas são das mais diferentes possíveis. Romance, filosofia, biografias e muito mais. É um belo exemplo que deveria ser seguido, assim como a iniciativa da base do Vitória, que deveria ser adotada por todos os outros clubes do Brasil.

Quer conferir as leituras do jogador? – http://wallaceleu.com.br/


Deixe uma resposta